LAS CHICAS DEL CABLE: sororidade feminina e a luta pelos direitos iguais na nova série da Netflix



Adivinhem só quem está com o coração quentinho por ter descoberto a mais nova produção espanhola da Netflix que retrata temas atuais em plena década de 20? Las Chicas del Cable (As Telefonistas, versão traduzida do título em português) é a primeira aposta do serviço de streaming mundial diretamente dos estúdios espanhóis. A série foi lançada no final de abril, e, desde então, parece-me estar sendo escondida no catálogo, uma vez que vi pouquíssimas pessoas comentando sobre. Talvez pela escassa divulgação que está tendo, diferentemente de outras originais Netflix amplamente divulgadas, a exemplo de 13RW, que causou muito burburinhos. Desse modo, sinto-me na obrigação de espalhar para o mundo a delícia e o potencial que essa belezura tem! Afinal, coisa boa merece ser compartilhada, né?

Las Chicas del Cable é um apaixonante drama que narra a vida de quatro mulheres que passam a trabalhar na sede da primeira companhia telefônica na capital de Madri – Espanha, em 1928. É protagonizado por Ángeles (Maggie Civantos), Carlota (Ana Fernández), Lidia (Blanca Suárez) e Marga (Nadia de Santiago), que se conhecem na seleção das telefonistas. Ángeles trabalha na empresa dos Cifuentes a longa data, e é altamente competente no que faz, a única das meninas a ser mãe e que já tem um marido; Carlota, filha de um importante militar da cidade, é totalmente liberal e luta com unhas e dentes pela equidade de direitos entre homens e mulheres. A fim de conquistar sua independência, deixa a vida de madame que levava para trabalhar e viver aos seus modos, causando uma revolta no pai que repudia totalmente sua atitude. Lidia esconde um passado misterioso das chicas e vê na oportunidade de trabalhar na companhia uma chance de melhorar de vida e vai utilizar-se da sua beleza e inteligência para isso. Já Marga é a ingênua do grupo, recém-chegada do campo, na busca por uma melhor condição de vida. Todas as garotas tem personalidades distintas e a série retrata cada uma delas com particularidade única.


da esquerda para a direita · Marga, Ángeles, Carlota e Lidia

Em uma tarde qualquer do meu período sabático, ao entrar na Netflix, a divulgação da página inicial era essa belezinha aí. A sinopse, ainda que breve, fez-me clicar no play instantaneamente. E, de um clique aleatório, fiquei totalmente fisgada pela história de quatro verdadeiras girl power. A série já ganhou meu coração no primeiro episódio (são oito, no total) pelo roteiro, que é muito bem escrito, a abertura, que é de uma lindeza só e o idioma. Sou dessas que espalham para os quatro ventos que sou uma admiradora da língua inglesa, mas a língua castelhana me faz suspirar. E ter um elenco hablando español durante todo o tempo com aquele sotaque inconfundível me fez desejar me matricular numa escola de idiomas mais próxima! E os elogios não param por aí, viu?

A história conta com reviravoltas do começo ao fim, o que, para mim, é um dos pontos fortes da série. Aliás, são pouquíssimas as vezes em que tudo está em sua normalidade. Isso nos faz descobrir segredos e coisas do passado dos personagens no decorrer do enredo. Temos dramas e romances digníssimos de novelas, daqueles que nos fazem torcer pelos casais e sua eterna felicidade, mas que sempre aparece alguém para tirar o sossego dos mocinhos. O cenário e os figurinos são impecáveis! E eu não esperava nada menos do que isso, afinal, a trama se passa na década de 20, época em que se ostentava muito a luxuosidade através das roupas (uma curiosidade é que os vestidos de festas que as personagens usam, com todas as suas pompas, foram emprestadas de museus), acessórios e decoração.

Lidia, Carlota e Marga na festa de inauguração da companhia

Mas o que a fez torná-la umas das minhas séries favoritas, foi a abordagem singela e particular de temas como o feminismo, sororidade feminina e empatia. A sociedade daquela época era fortemente machista, aonde as leis eram criados por homens para homens, o voto feminino ainda não era regulamentado, muito menos consideravam a figura feminina como alguém a ter vez e voz. E em meio ao machismo e as dificuldades diárias de ser mulher em 1928, essas garotas-mulheres se unem pela sua liberdade e independência. Sacrificam-se e renunciam seus amores, desejos e sonhos pela amizade uma da outra. E ver essas meninas juntas é um belo exemplo da força que a união provoca. Foram por pessoas como elas que hoje temos acesso ao direito de votar, ao divórcio e tantos outros. É um show de empoderamento feminino, de crescimento pessoal e autodesenvolvimento. Torcemos pelas conquistas de cada uma, pelo fortalecimento da amizade, para que a verdade venha à tona. É, também, um ensinamento sobre outras temas atuais, tais quais: homossexualidade, aborto, agressão física, sufragismo, política de favores e jogo de interesses.


p.s: Não poderia deixar de registrar a importância que a Ana Polvorosa, intérprete da Sara Millán, tem na série. Ainda que ela não seja protagonista, é uma das militantes do elenco. Ô, orgulho das mulheres desse cast poderoso! Ah, e a trilha sonora também merece destaque, viu? Ajuda a embelezar toda a história. As músicas (a de abertura é a minha favorita!) são mais atuais, não remetendo à década em que se passa o enredo, mas o meu palpite é que tenha sido proposital a fim de fazer uma ponte entre o passado e o presente. A soundtrack está disponível no perfil oficial da Netflix no Spotify. Para ouvir é só clicar aqui*Todos os episódios estão disponíveis no catálogo do streaming.





pra tagarelar e ver umas imagens bonitas:
twitter // ig do cartas // ig pessoal // pinterest (todo atualizado, dá um check!) // filmow

15 comentários:

  1. Realmente parece ser uma série incrível, eu ainda não tinha visto ela pela netflix e realmente, algumas séries por lá conseguem ter mais visibilidade do que outras, infelizmente.

    Mas, obrigada pela recomendação. Se eu não estivesse com tantos livros e séries para por em dia iria começar ela hoje mesmo.

    Beijos!
    www.memorizeis.tk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Especialmente aquelas já consagradas, né? Mas tem tanto tesourinho perdido por aí! É só dar uma chance para aquelas que ficam mais escondidinhas no catálogo. Se aventurar é a palavra chave.

      Excluir
  2. Eu vi a resenha que a Duane do blog Claramente Insana fez e ela tinha me indicado antes também essa série. Eu quero MUITO assistir! Por conta dos temas que ele aborda mesmo. O começo da independência da mulher na sociedade e toda aquela limitação daquele século que hoje em dia tem outros olhos e outras reações (graças a Deus). Vou aproveitar agora minhas férias para assistir. Porque essa resenha só reforçou o que eu já tenho em mente sobre a série, agora quero assistir para tirar minhas próprias conclusões.
    Beijos!

    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seu blog está no meu blogroll ;)

      Excluir
    2. Oba, que bom que te instiguei a assistir! Uma vez que você já está interessada, tem grandes chances de se apaixonar pela série, assim como eu. Ah, e boas férias!
      Obrigada pelo carinho, Thami! <3

      Excluir
  3. Nossa, deve ser bem pouco divulgada mesmo, ainda não tinha ouvido falar. Não que me lembre. Confesso que não sou apaixonada pelo espanhol, mas pelo modo que descreveu a série, realmente me chamou atenção. Tô encantada pelas suas palavras e acho que vou assistir a série. HAHA
    beijos

    www.marinaalessandra.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Objetivo atingido com sucesso! Hahaha, fico feliz em saber que gostou! <3

      Excluir
  4. Annapaula2.7.17

    Genteee super indico!
    O drama é bastante envolvente e apaixonante.

    ResponderExcluir
  5. SOCORROOOOOOOOO me dá um abraço AGORA <3 *abraçando virtualmente *. Eu também AMO Las Chicas del Cable! Nossa, é tanto girl power que dá realmente aquele quentinho no coração, logo no início, naquela narração da Lidia ("a vida não era fácil para ninguém, mas era ainda mais difícil para as mulheres" ♥) ficamos presas na história (que eu achei bem novelão - ADORO). Esse negócio da trilha sonora atual de início estranhei, mas depois cheguei a mesma conclusão que você. E que legal isso das roupas, por isso são tão maravilhosas!
    Não sei se você viu, mesmo sendo mal divulgada, a série bombou no mundo todo e a Netflix já confirmou mais duas temporadas <3
    Beijos ♥

    claramenteinsana.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dou simmmm! <3
      É um prazer poder trocar figurinhas com quem já assistiu, haha. Assim compartilhamos do mesmo amor! Acho que a vibe novelão foi o toque certeiro pra dar aquele gostinho de drama que a gente gosta. Não do tipo meloso, mas pra envolver cada vez mais o espectador na história dos personagens. Ah, e eu estranhei a soundtrack também! A música de abertura eu achei que encaixou-se perfeitamente, mas ao me deparar com as de fora da época, logo no primeiro episódio, fiquei meio what?.
      Opa, já estava sabendo sim! Logo assim que concluí a série e fui dar um search por aí, me deparei com a felicidade dessa notícia. <3

      Excluir
  6. Ameeei conhecer essa série, parece ser incríveeel mesmo! Já estou curiosaa! HAHAHA.
    Muito obrigada pela visita e pelos comentários sobre a facul de Arq & Urb hahaha!
    Bisous,
    Blog Pequeno Muffin | Lara Reis
    www.pequenomuffin.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um igualmente obrigada pela visita! Hahaha.

      Excluir
  7. OI MIGA
    MILITOU MUITOOO
    amei muito o tema e a fotografia parece ser lindissima, vou ver agora memo antes de dormir, obrigada pela indicação. teu blog tá lindo e você é a pessoa mais caprichosa com isso que eu conheço. bjo tiamo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você vai amar! Obrigada pelo apoio de sempre, meu orgulhinho. Seu elogio conta demais para mim! <3

      Excluir

ei! lê isso aqui!

Todo o conteúdo publicado aqui no Cartas para Carolaine é original e pertencente à autora do blog, Anna Carollyne Oliveira. O blog está protegido pela Lei nº 9.610/98 que garante os direitos autorais em caso de uso indevido da obra ou trechos da referida sem consentimento do autor. Violação autoral é crime vide a Lei nº 10.695 vigente no Código Penal, que resulta em multa de três meses a quatro anos de prisão. As imagens utilizadas, em sua maioria, não são autorais, tendo seus devidos créditos na legenda das publicações. Caso você tenha encontrado algum código ou trecho de uma obra de sua autoria e deseja receber a creditação ou optar pela remoção, peço para que entre em contato. Att/Anna Carollyne.